terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Silvio Tadeu da Cruz



O Silvio Tadeu, por mim chamado apenas de Bob, sempre mexeu com o meu imaginário. Me perguntava de onde ele teria vindo, quem ele era e quando teria surgido esse moço nessa Fortaleza de pedras. Me perguntava, no auge do meu romantismo juvenil, se teria tido uma dessas desilusões amorosas que fazem as pessoas perder o juízo e perambularem por nossa cidade. A verdade, é que cresci fantasiando. Procurava uma história que lhe fosse digna, apesar de sua condição totalmente contrária.
Medo, nojo e desprezo eram sentimentos recorrentes nos inúmeros comentários pejorativos emaranhados de preconceitos, que muitas vezes presenciei na parada de ônibus da Av. Duque de Caxias,entre as ruas assunção e solon pinheiro, contra esse solitário moço sentado no outro lado da avenida numa calçada suja de estacionamento.
O que várias daquelas pessoas não sabiam era da sua incrível habilidade com os números. Era ele quem resolvia os tão enfadonhos módulos de recuperação de uma escola tão respeitada próxima a praça do Carmo. (Aquela, que o povo passa porque sabe!)
Graças aos anjos, ele reconquistou sua dignidade, sua tão carinhosa família e sua identidade. O Bob por fim se foi. Deixou as ruas de nossa cidade para virar lenda, para virar lembranças, para virar Silvio Tadeu da Cruz.

3 comentários:

Artur disse...

pow negão...que história ein..!!!

bjo....

Danilo Castro disse...

Olha só!
Bom então que todos sibam da história desse paulista que virou patrimônio de Fortaleza...
Todo o cenário alternativo dessa cidade conhecia esse mendigo, Tadeu é exemplo pra gente sabia?
Por sua sapiência, paciência e calmaria em meio ao inferno que é a nossa cidade...

Valeu, Thiagão, só faltou o comentário lá no meu blog!

Ah, e legal vê-lo de cabelo raspado, ainda não sabia como havia ficado o novo visual do Tadeu...

Victor disse...

Eu me ligo desse cara aew!
=D

sabia dessas historias n.
Oo

gostei venta!

ta massa o blog!
=D
abraços